O cálcio é um nutriente que está associado diretamente a qualidade dos frutos (Sams, 1999). As ligações de cálcio entre os pectatos dificultam a atividade de enzimas pectolíticas produzidas pela fruta que causam amolecimento dos tecidos (Conway et al., 1992), afetando diretamente a qualidade dos frutos. Os cálcio atua também retardando o amadurecimento de frutos, estando diretamente relacionado com a estruturação e resistência mecânica da parede celular, possibilitando ligações entre polímeros de pectina na lamela média (CHITARRA; CHITARRA, 2005), desempenhando papel fundamental durante o processo de manutenção da qualidade de frutos em pós-colheita. O fornecimento não adequado de cálcio durante o ciclo da uva pode otimizar os processos de degradação naturais que ocorrem após a colheita, como a degrana (abscisão das bagas), escurecimento de engaço, incidência de podridões, perda de massa e amolecimento de bagas.
O presente trabalho teve como objetivo avaliar respostas do Móvel Ca em comparação a concorrente utilizado na região, visando um maior fornecimento de cálcio e qualidade pós-colheita em uva “Arra 15” na região do Vale do São Francisco.
O trabalho contou com aplicações aos 36, 43, 50 e 57 dias após a poda através de pulverizador tratorizado com doses de 0,5 Kg/ha de Móvel Ca e 0,3L/ha do padrão fazenda. As doses foram proporcionais as respectivas concentrações de cálcio de cada um dos produtos, garantindo assim a mesma

quantidade de cálcio fornecido por aplicação para ambos os produtos. Foram realizadas análises laboratoriais para quantificar cálcio, magnésio, fósforo e boro ligados, alem de matéria seca. Foram realizadas também análises pós-colheita para avaliar desidratação dos frutos, degrana e desidratação do engaço. A desidratação foi definida pela diferença do peso dos cachos no momento da colheita e nos intervalos de avaliação definidos (15, 30 e 45 DAC).  A degrana foi expressa em relação a porcentagem de bagas degranadas em função do peso dos cachos. avaliação de desidratação do engaço foi realizada seguindo a escala proposta por (GOMES, 2006) onde: 0- para engaços verdes, túrgidos, com aspecto fresco de recém-colhidos; 5- para engaços verdes e levemente secos (verde opaco); 10- para verdes com pontuações marrons, levemente secos; 15- para marrons, secos, e 30- para engaços marrons, muito secos, quebradiços (GOMES, 2006).
Os resultados mostram que não há diferença entre os tratamentos para as avaliações de qualidade pós-colheita. As análises nutricionais mostram diferença significativa para o cálcio total, apresentando o Móvel Ca maiores valores do elemento.  Quanto aos nutrients ligados, houve equilibrio nos níveis de magnésio, boro e cálcio, enquanto que os níveis de fósforo ligado do tratamento com Móvel Ca foi significativamente superior. A matéria seca do tratamento com Móvel Ca também apresentou valor superior ao concorrente avaliado.

Referências:
CHITARRA, M. I. F.; CHITARRA, A. B. Pós-colheita de frutos e hortaliças: fisiologia e manuseio. 2.ed. Lavras: UFLA, 2005. 785p
CONWAY, W.S.; SAMS, C.E.; McGUIRE, R.G.; KELMAN, A. Calcium treatment of Apples and Potatoes to reduce postharvest decay. Plant Disease, St. Paul, v.76, n.4, p. 329-334, 1992.
GOMES, D. Efeitos da vibração na qualidade da uva ‘Niágara Rosada’. 2006. 84 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Agrícola) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2006

Abrir
Precisa de ajuda?
WhatsApp Aqua do Brasil
Olá. Podemos ajudar você?